Arquivo da tag: lazer

O Artista

Padrão

ATENÇÃO: O texto pode conter citações sobre o desenrolar do filme. Caso não tenha visto o filme ainda, tenha cuidado ou o leia após assisti-lo.

<a

Estreia oficial: 12 de outubro de 2011
Estreia no Brasil: 10 de fevereiro de 2012

Quando vemos George Valentin (Jean Dujardin), o protagonista de “O Artista”, pela primeira vez, logo no início do longa, as primeiras palavras que saem da sua boca são: “Não vou falar! Não direi uma palavra”. Palavras essas que, logo após serem pronunciadas sem emissão alguma de som, aparecem escritas em uma cartela. E não demora muito para descobrirmos que na verdade, esta cena faz parte de um filme protagonizado por Valentin, um renomado ator do cinema mudo em Hollywood. E assim, logo em sua primeira cena, o diretor Michel Hazanavicius dita o tom de seu filme: sim, estamos assistindo a uma versão moderna do cinema mudo, que vai falar exatamente sobre a transição deste para o falado (ou os ‘talkies’, como diziam na época nos Estados Unidos), e ainda repleto de metalinguagem – afinal não apenas o personagem de Geroge Valentin nega-se a dizer uma palavra, como ele próprio (personagem de Dujardin), negar-se-á a ‘abraçar’ o cinema falado, acreditando (assim como vários grandes atores realmente acreditavam à época) que o som apenas destruiria a magia do Cinema.

Mas estou me adiantando… O roteiro, escrito pelo próprio Hazanavicius, é como uma mistura de “Cantando na Chuva” com “Nasce uma Estrela”. George Valentin, como falei, é um grande astro de Hollywood e, em uma estreia, acaba esbarrando com a carismática Peppy Miller (Bérénice Bejo), que dá um beijo no rosto do grande ator. Claro que o fato vira manchete dos principais jornais e, agarrando-se à oportunidade, Peppy vai para Hollywoodland (como então se chamava) tentar a carreira de atriz. E consegue, ainda mais com o advento do som. E acaba se tornando uma das principais estrelas desta fase. Já George Valentin, negando-se a se atualizar, acaba sendo esquecido pelos ‘holofotes’, e entra em uma grande crise, tanto econômica quanto pessoal.

A história não traz nada de novo, e é até um tanto quanto previsível, mas é a forma como é contada aqui, o grande diferencial de “O Artista”. Colocando-se desde o princípio não como uma crítica à Hollywood (como “Crepúsculo dos Deuses”, ao qual muitos poderão achar várias similaridades), mas sim como uma grande homenagem à indústria cinematográfica estadunidense, “O Artista” recria em (quase) tudo a estrutura narrativa dos filmes mudos do final da década de 1920. Desde o formato ‘square’ ou standard (4×3) dos antigos filmes, como muitas transições e efeitos (a sobreposição de imagens, por exemplo) que eram comuns nestes filmes, e também a constante trilha musical (de Ludovic Bource) presente em praticamente todas as cenas e que dita o ritmo e o tom da narrativa, como realmente acontecia, sem apelar para o óbvio.

Porém, o longa de Hazanavicius também é bastante contemporâneo, com sua qualidade de imagem límpida e sua montagem dinâmica e inteligente, e que conta com transições e ‘trucagens’ bastante inspiradas, como no plano em que vemos Peppy maquiar-se na frente do espelho, sendo que sua própria mão é, rapidamente, substituída pelas mãos de maquiadoras profissionais, marcando assim, a sua ascenção na carreira.

Mas embora toda a homenagem a Hollywood seja belamente retratada e garanta um grande charme à producão, são mesmo as atuações que elevam o valor de “O Artista”. E é engraçado (pra não dizer irônico) que os grandes protagonistas deste filme não sejam estadunidenses: Jean Dujardin é francês (lembrando que o longa é uma co-produção entre França e Bélgica) e Bérénice Bejo é nascida na Argentina mas cresceu em Paris.

Dujardin cria seu George Valentin como uma mistura de Rodolfo Valentino (a homenagem está até no seu nome) e Douglas Fairbanks (principalmente no bigode), onde sua simpatia equivale-se em tamanho ao seu orgulho. E quanto a Bérénice Bejo, não há como não se apaixonar por sua Peppy, com seu olhos marcantes e sorriso gigantesco, tamanho seu carisma, simpatia e expressividade. Há ainda o ótimo trabalho de John Goodman como um produtor de um grande estúdio, e James Cromwell como o motorista de Valentin. Assim como a pequena participação de Malcolm McDowell. Como não há falas, os atores podem brincar com sua expressão facial e corporal, fazendo isso de maneira extremamente hábil e conseguindo fugir das armadilhas fáceis dos estereótipos.

Mas quem rouba mesmo a cena é o engraçadíssimo cachorrinho de George Valentin. Um verdadeiro ator, extremamente treinado e ensinado, encanta a todos com seus truques e sua lealdade. A ótima cena do café da manhã já bastaria por ser uma homenagem a “Cidadão Kane”, mas ganha um tom mais engraçado devido à atuação do carismático animal.

Contando ainda com uma bela fotografia que, em alguns momentos, lembra o expressionismo alemão; uma direção de arte e figurinos impecáveis; e uma edição de som (de uma cena em particular) que chama a atenção pelo seu apuro e originalidade, “O Artista” não é apenas uma homenagem ao cinema mudo, mas a Hollywood como um todo. Afinal, de uma forma engraçada e comovente, leva-nos a um passeio por dentro de parte da história do Cinema, que vai culminar com o advento do gênero que determinou de maneira definitiva a soberania de Hollywood mundialmente: os musicais.

E, se não bastasse a coragem e ousadia de Michel Hazanavicius em produzir um filme mudo em plena era do 3D, ele ainda o faz com extrema segurança e talento, colocando “O Artista” no rol daqueles grandes filmes metalinguísticos e que reverenciam a própria história do Cinema.

Fica a dica!

por Melissa Lipinski
Cinema com Mel

Surpreendente. Em pleno 2012 assistir a um filme mudo no cinema. Um lançamento.

“O Artista” consegue ter uma boa história que pode ser contada com pouquíssimas falas. E obviamente as falas vêm escritas em tela preta.

O elenco está muito bem. Destaque para a bela atuação de John Goodman. E um super destaque para o cachorro, toda vez que aparece ele rouba a cena.

A mixagem de áudio é muito boa nas duas cenas em que há sons. Bem como a trilha sonora que apesar da necessidade de estar presente o tempo todo, não nos cansamos dela.

Vale a pena!

Por Oscar R. Júnior

Caminho das Missões – uma história em 13 dias. O oitavo dia…

Padrão
Caminho das Missões – uma história em 13 dias. O oitavo dia…

O dia em que jamais esquecerei e todos vão lembrar!

Sempre fui amador em tudo o que fiz e olhando as fotos deste dia, penso que foi influência direta de 1977 em minha vida. Ainda não tinha 10 anos, quando ganhei a máquina fotográfica. Pensando bem não fazia nenhum sentido uma máquina fotográfica quando se tem menos de 10 anos. Olhando hoje faz todo sentido, a criança tem o olhar curioso, percebe o mundo de uma forma mais interessante que o adulto. A cena que a máquina constrói quando você olha por intermédio da lente, só você enxerga. Neste dia, estávamos todos no mesmo lugar. De um modo geral, todos contemplando a beleza. Estava um pouco mais atento, registrando a manifestação da natureza quando a luz do dia surge imponente no céu.

Entre as minhas leituras, deparei com um autor tão antigo e tão especial, que me fez pensar sobre a presença e a ausência da luz na contemplação do cosmos. O céu é azul, o universo segundo ele é escuro e o dia nasce para que possamos diferenciar o claro do escuro. E foi desta forma que olhei este dia. Talvez, estejamos acostumados ao dia sempre tão sempre igual, tão pronto, tipo céu de brigadeiro, algumas nuvens, sol a pino e com mudanças de humor mais ou menos carregado em tons cinzentos, que aquilo que deveria ser considerado extraordinário parece banal. O por do sol, este sim, talvez seja diferente em diferentes épocas do ano. Notamos com mais facilidade. Mas ver o sol nascer treze dias seguidos de um ângulo que você jamais imaginava ver, agradou.

A cena foi sendo desenhada, e apesar de ter dormido bem aquela noite, sentia-me cansado.
Nesta noite ficamos alojados numa escola, na localidade de Rincão dos Teixeiras, sob os cuidados da simpática dona Antônia. Havia algo no ar que fazia ficar atento e com o olhar firme no horizonte.

O sol foi surgindo, uma nuvem gigante estacionada sobre nossas cabeças e a manhã foi sendo tecida como no poema de João Cabral de Melo Neto, num misto de poesia e realidade… Pedro e Renato, meus companheiros de jornada pelos seis primeiros dias, um pouco mais a frente, criavam a imagem perfeita. Vi aquilo que eles viriam no final daquele dia. Não sei se vale a pena falar mais sobre este dia. As sensações que guardo comigo, estão registradas nas imagens que consegui captar e que divido com vocês.

O extraordinário!
Conheci duas outras figuras naquela manhã, Terezinha Nitahara e Marcos Flores, com eles dividi o silêncio da estrada com conversas sobre tudo.

O andar sem compromisso pelo prazer de andar faz algumas coisas especiais.
Você percebe que no dia-a-dia nem percebe e nem se dá conta de que elas existam, mas um amigo faz falta na tua jornada, uma conversa boba ajuda o tempo passar e uma conversa séria ajuda a resolver um dilema.

Uma risada a dois é sempre mais gostosa.

Se você quiser saber mais sobre o caminho acesse: http://caminhodasmissoes.com.br/

Por Marcelo Ferraro/ editor floripacool.com
http://about.me/FERRARO

Caminho das Missões – uma história em 13 dias. O sétimo dia…

Padrão
Caminho das Missões – uma história em 13 dias. O sétimo dia…

Vinte e cinco de dezembro, queria só descansar no sétimo dia!

Neste dia, fomos incorporados a um grupo de novos caminhantes que fariam os 150 km restantes entre as cidades com vestígios do mundo jesuítico-guarani no Rio Grande do Sul. Havia neles uma disposição que não combinava comigo, estavam com pressa, com vontade de sair correndo pelas estradas. Eu queria sentar e pensar sobre todos aqueles dias. Amanheceu, saímos pelas ruas, logo a cidade foi ficando e o campo ressurge nas nossas frentes. Lá estávamos nós novamente. Fui ficando no caminho, até não enxergar mais ninguém, comigo vinha o Renato. Falávamos de tudo e de nada, da disposição deles. O primeiro dia dá essa falsa sensação, parece que você vai ganhar o mundo, mas depois, com os dias surgindo na mesma batida, a coisa muda de figura.

Na minha cabeça uma pergunta recorrente desde a tarde de ontem, de onde vinham todas aquelas pedras? Qual a distância entre o local de retirada e a construção das cidades? Quanto tempo? Quem fazia o que? Pouco depois de deixarmos o centro vimos este lugar. Ele responde em parte minhas perguntas. Em parte porque essa é uma jazida, mas não necessariamente daquele tipo de pedra. Mas o fato é que elas vinham de próximo. Mas da onde? E onde estão localizadas outras jazidas? É difícil pensar na logística daquele tempo e principalmente pensar nos meios de transportes para levar de um lugar a outro.

Tirando está questão, todo mais era continuar caminhando, seguindo em frente.

Nenhuma novidade! Mas se você for ficar pensando nisso, não faz muito sentido. E a diferença entre os seis primeiros dias e o dia de hoje eram as pessoas. Pessoas fazem diferença. Estávamos todos na mesma estrada, então a minha diversão passou a ser outra, fui conhecer cada uma delas e seus motivos para estarem ali, naquele dia e naquela situação. Tipo eu, “débil mental” e meu amigo Renato e sua ideia genial de caminhar 13 dias pela região das missões.

Conheci Heloisa, ela quase não falava, estava na dela. Neste dia, todos os demais estavam muito a frente de mim, eu vinha mais atrás com estas três da foto: Cidinha e Estela. Tinha um bom motivo, meus pés doíam muito, minhas unhas estavam pretas, era quase insuportável continuar. Algumas já caíram, outras continuam firmes. Neste dia, chegamos numa escola, passamos a noite lá. Fomos observando as novas pessoas e buscando interagir com eles. Eles que já se aventuraram pelo mundo todo.

Não faz muito sentido falar sobre este dia.
Afinal era Natal, minha mãe e meu filho estavam longe, meus pensamentos eram todos deles.

Se você quiser saber mais sobre o caminho acesse: http://caminhodasmissoes.com.br/

Por Marcelo Ferraro/ editor floripacool.com