Açores – Museu de Angra do Heroísmo

Padrão

O Conhecimento das Ilhas dos Açores

No início do século XV, o conhecimento do mundo é limitado e fragmentado, sendo a imagem medieval da Terra, baseada numa síntese de elementos bíblicos e greco-latinos, ainda uma realidade. Portugal – um espaço de cruzamento das civilizações cristã, islâmica e judaica, e um estado independente desde o século XII – começa a reforçar a sua tradição marítima e piscatória e a criar condições para a Expansão Europeia dos séculos XV e XVI, fenómeno de abertura do Mundo e de globalização que vai liderar. A meados do século XV, já estão descobertas as primeiras sete ilhas dos Açores (1427), iniciando-se o seu povoamento em 1439. As Flores e o Corvo são descobertas em 1452. No arquipélago, desenvolve-se uma economia baseada na cultura de cereais e na criação de gado, aliada ciclicamente a produções orientadas para o mercado: o trigo, o pastel, a laranja e o leite. A posição geográfica faz dos Açores uma base indispensável para a navegação marítima.

Momento 2
Angra, os Açores e o Mundo No século XVI, Angra desenvolve-se como centro de apoio e de distribuição dos produtos vindos das carreiras das Índias Orientais e Ocidentais, num quadro de construção de uma economia atlântica. A riqueza gerada permite à cidade crescer com um plano urbanístico de cariz renascentista, registado pela famosa carta de Jan Huygen Van Linschoten e que ainda hoje a caracteriza. A importância de Angra e dos Açores, na conjuntura dos séculos XVI/XVII, ficou marcada pela pressão das potências marítimas do Norte e revela-se no empenho de Filipe II em conquistar a ilha Terceira. A Restauração da Independência, em 1640, é facilitada pela recessão económica a nível mundial e pela instabilidade do império espanhol.

Momento 3
Da Capitania Geral ao Liberalismo Nos cerca de 100 anos que separam a criação da Capitania Geral do fim das Lutas Liberais, os Açores sofrem mudanças que perduram e alteram profundamente o viver insular. A criação da Capitania Geral, em 1766, por proposta do Marquês de Pombal, com sede em Angra, corresponde à preocupação de reorganização do regime político-administrativo, atribuindo vastos poderes ao Capitão General. Por sua vez, o período conturbado das Lutas Liberais (1820-1834), com a instalação na ilha Terceira da Regência do Reino e a chegada de sucessivas levas de emigrados seus apoiantes, ocasiona violentos confrontos com a população local, pois o meio social e cultural não é propício à adesão aos ideais do Liberalismo.

Momento 4
A Formação do Contemporâneo A vida açoriana não escapa à influência dos grandes acontecimentos dos séculos XIX e XX. Todos os movimentos que tiveram impacto no País e no Mundo têm os seus reflexos nas ilhas. A realidade social, económica e cultural caracteriza-se pelo predomínio do sector primário, a emigração, o atraso e a persistência dos sistemas e valores tradicionais. Porém, os inventos que marcam a contemporaneidade chegam às ilhas e, a pouco e pouco, mudam o modo de viver insular. As Ilhas Adjacentes ressurgem para uma nova época com o movimento revolucionário do 25 de Abril de 1974, consagrando-se pela primeira vez, na Constituição, uma verdadeira Autonomia. A importância estratégica dos Açores, decorrente da sua situação geográfica, torna-se especialmente evidente no século XX, devido aos conflitos mundiais, durante os quais estas ilhas funcionaram de novo como ponto estratégico de controlo do Atlântico.

Por Museu Angra do Heroísmo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s