Especial Portugal

Padrão

Este slideshow necessita de JavaScript.


Quando escolhi Portugal para passar férias, qualquer pessoa que vinha me dar sugestões e indicações começava com: “Nossa, você vai comer muito bem, Portugal é um dos melhores lugares do mundo para comer”. E foi exatamente por isso que decidi ir para lá.

Queria um lugar que pudesse escolher qualquer endereço, entrar e saber que comeria bem. Nada de restaurantes estrelados. Sim, Portugal também tem os seus, mas não queria nada nesses endereços. Queria conhecer as tasquinhas, parar de bar em bar nas ruas da Alfama, em Lisboa, provar cada doce e taça de vinho. Para quem perguntasse, dizia: “Vou para lá comer presunto, queijo da Serra da Estrela e sardinha”.

E foi o que eu fiz. Saí de São Paulo cheia de indicações de restaurantes, mas visitei poucos deles. Fui aos clássicos Farta Brutos em Lisboa e Fialho em Évora. Comi frutos do mar na Cervejaria Ramiro e no Porto de Santa Maria. Consegui reserva numa das cinco mesinhas da Tasquinha do Oliveira. Todos maravilhosos. Sendo esse último o melhor que comi em Portugal e um dos melhores em que já estive. Mas, fora isso, adotei a linha “deixe a vida me levar”. Sem arrependimentos.

Cheguei em Lisboa e fui correndo comer pastéis de Belém, na Fábrica de Pastéis de Belém, que existe desde 1837. E repeti o ritual todos os dias em que fiquei na cidade. Estava hospedada do lado. Resistir aos pastéis de nata saindo sempre quentinhos foi realmente tarefa impossível. Foram só 5 dias em Lisboa e aproveitei cada um deles muito bem!

Aliás, nos 15 dias em que fiquei no país:

… provei sempre todas as azeitonas que pude. Elas são servidas no couvert de quase todos os restaurantes e são sempre irresistíveis. Essas acima, foram consumidas num dos restaurantes das ladeiras da Alfama, junto com uma cerveja gelada, logo no dia da chegada.

Muitos presuntos pata negra e embutidos em geral. Eles estão em todos os cardápios assim como os…

… “enchidos”: linguiças apimentadas, alheiras (feitas com carne de coelho, caça, porco e pão) e morcillas (embutidos feitos de sangue coagulado).

Esse aí é o famoso queijo amanteigado da Serra da Estrela. Nos restaurantes, é servido na sobremesa junto com alguma geléia ou um doce de abóbora. É bastante calórico, mas divino. No Brasil, chega a custar R$ 200 o quilo. Em Portugal, custa em torno de 20 euros o quilo.

Outra mania na cidade são as confeitarias e padarias. Os doces chamados de “conventuais”, porque foram inventados pelas freiras, ainda estão presentes em cada esquina das cidades portuguesas. São todos feitos com a base de ovos e açúcar. Muitos levam também amêndoas. Essa rua das Padarias fica em Sintra, que tem um doce típico:

O travesseiro. É uma massa folhada levíssima recheada de um creme de ovos e gila (uma abóbora não muito doce). Foi acompanhado de uma taça de vinho doce da Ilha da Madeira.

E aí tem o capítulo peixes e frutos do mar de Portugal. Logo na minha primeira noite, fui na Cervejaria Ramiro. É um misto de boteco e restaurante super tradicional, sempre com fila na porta. Você pede sua comida por quilo, devido ao tamanhinho dos camarões, lagostas e sapateiras.

Meu primeiro prato foi também um dos mais tradicionais no país: as amêijoas à Bulhões Pato com vinho branco, azeite, alho e coentro (tudo tem sempre bastante coentro em Portugal). Gostei tanto que repeti o prato em quase todos os lugares em que estive depois.

Essa é a sapateira, um caranguejo gigante de carne bastante adocicada, um dos frutos do mar raros de encontrar e que ainda existem em abundância em Portugal. Mas esse aqui eu só fiz a foto e deixei pra experimentá-lo em outro restaurante, o Porto de Santa Maria que vou falar em um dos próximos posts.

Em vez disso, pedi um camarão Tigre Gigante, de carne quase amarga, preparado ao ponto, macio e tostado ao mesmo tempo. Tem que pegar o garfo e realmente ir arrancando a carne da casca, como se faz com as lagostas.

A praça do Comércio, onde era feito todo o comércio de especiarias e escravos na época do descobrimento

Comprei na loja de um dos conventos de Portugal o livro “A Arte da Cozinha”, o primeiro de receitas publicado no país, em 1693. O mais legal é que os pratos são exatamente os mesmos ainda servidos nos restaurantes. Séculos de receitas muito parecidas de peixes e frutos do mar, assados, empadas, os mesmos doces e até lampréia, a cobra do mar que não tive coragem de experimentar. Tudo rústico, caseiro e regado a muito azeite. Os temperos são azeite, alho, sal, pouca pimenta e coentro.
Nos próximos dias, vou publicar aqui as indicações de cada restaurante. Por enquanto, ficam duas dicas:

Cervejaria Ramiro: av. Almirante Reis, nº1 – H, Lisboa
Fábrica de Pastéis de Belém: rua de Belém, números de 84 a 92, Lisboa.

Por Alessandra Blanco/blog comidinhas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s